CASA DAS ROSAS REÚNE POETAS - Colégio Lectus
16859
post-template-default,single,single-post,postid-16859,single-format-standard,woocommerce-no-js,ecwd-theme-bridge,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,columns-3,qode-theme-ver-9.2,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive
 

CASA DAS ROSAS REÚNE POETAS

CASA DAS ROSAS REÚNE POETAS

CASA DAS ROSAS REÚNE POETAS E EXPÕE RARIDADES PARA CELEBRAR OS 60 ANOS DA POESIA CONCRETA

 

Exposição inclui obras de 44 poetas, entre eles Augusto e Haroldo de Campos, Décio Pignatari e Pedro Xisto

 

Os conceitos lançados pelo movimento de poesia concreta há 60 anos serão discutidos na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos , a partir do dia 1º de dezembro, na exposição As ideias concretas – poesia 60 anos adiante. Com curadoria de Julio Mendonça e Reynaldo Damazio, a mostra convida o visitante a conhecer a poesia desse movimento literário e os desdobramentos mais recentes – vivos e instigantes – da poesia experimental brasileira.

A exposição abordará os diversos momentos da poesia concreta, desde sua criação pelos irmãos Augusto e Haroldo de Campos e Décio Pignatari, além de seu diálogo com outras formas de expressão artística, como as artes plásticas, a música experimental, o cinema, o design e a performance – diálogo que permitiu que essa poesia antecipasse o ambiente intermídia que hoje predomina. A mostra é dividida em quatro módulos e conta as várias transformações da poesia relacionada ao movimento, de suas origens até os dias de hoje.

Quem visitar o museu poderá conferir a arte original do poema ZEN, de Pedro Xisto (1966), belas reproduções em serigrafia de poemas como dias dias dias, de Augusto de Campos (1953) e beba coca cola, de Décio Pignatari (1957), além de objetos hoje raros como a Caixa preta, de Augusto de Campos e Julio Plaza (1975).

Também se destacam documentos do Acervo Haroldo de Campos, como a carta de Eugen Gomringer para Décio Pignatari, de 1956, na qual ele confirma a adoção do nome poesia concreta para definir o movimento internacional que os brasileiros e o suíço-boliviano estavam criando. Será possível ver a primeira versão em listagem de impressora matricial do poema Babel, de Pedro Xisto, realizado por Erthos Albino de Souza em computador, no início da década de 1970.

O primeiro módulo, Palavras-coisas no espaço-tempo, mostra um pouco da produção do grupo Noigandres, formado por Augusto e Haroldo de Campos e Décio Pignatari em 1952, e o manifesto Plano-piloto para poesia concreta (1958).

O segundo módulo, O design da poesia, abordará a criação poética de cada um dos integrantes do grupo Noigandres e de outros poetas, como Pedro Xisto, Edgard Braga, Florivaldo Menezes, Villari Herrmann e Erthos Albino de Souza que, nos anos 1960-1970, aprofundaram a pesquisa do cruzamento entre palavra, imagem e objeto.

O terceiro módulo, A poesia cosmopolita, abordará a repercussão internacional do movimento. Por fim, em Ecos concretos, a exposição mostrará como a poesia experimental mais recente utiliza as condições materiais, tecnológicas e culturais do mundo atual para ecoar o futuro.

 

 

Serviço:

As ideias concretas – poesia 60 anos adiante

Abertura: 1º de dezembro

De 2 de dezembro de 2016 a 31 de maio de 2017

Curadoria: Julio Mendonça e Reynaldo Damazio

 

 

Fonte: www.casadasrosas.org.br

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário